Quarta-feira, 24 de Agosto de 2005

O sonho do tempo.

A luz das velas, um poema de amor, ódio e dor adormece em folhas brancas. Junto a cabeceira, retratos que ainda choram as últimas lágrimas de um adeus que nunca fora dito. Um sonho numa viagem. Sonho de um mar que se transformou em pétalas de um olhar de veludo. Sonhos de sereias que se misturam com a noite apanhando conchas a beira-mar, olhares brilhando com a intensa luz do luar. Fogem pensamentos... O tempo dá o que nunca pedimos porque não sabemos falar a linguagem do tempo. Nesta hora que tudo é nada e nada é tudo. Poemas que albergam a dor de um sentir de um afecto que se esconde. Aonde está o abraço. O calor de um beijo. O sonho desejado que nunca mais chega assim como o amanhã, nada sabemos e tudo pode acontecer.


As velas derretem-se com o fogo que bate contra o vento. Sonhos, inúmeros, já passaram por esta vida que se mostra na autenticidade da sua essência. Presentemente nada parece ter sentido quando os sonhos passam sem se despedirem até o dia seguinte de uma madrugada que foi de lágrimas. Folhas brancas no chão, espalhadas como as folhas secas que se despedem das árvores. De quem foi esta noite? Uma resposta vaga no lugar da dor. Deste poema escrito no sonho de uma alma:


Esse beijo nunca foi meu


foi dos anjos que sobrevoaram


a alma que se deleita no auge da sua presença


Esse sonho nunca foi meu, foi o sonho do tempo.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:45
link do post | favorito
|
De Anónimo a 25 de Agosto de 2005 às 12:45
São muitos os sonhos que partem sem despedida, mas alguns regressarão para iluminarem o nascer de um novo dia. Bjscuriosa paixao
(http://curiosapaixao.blogs.sapo.pt/)
(mailto:curiosa-paixao@sapo.pt)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links