Sábado, 29 de Abril de 2006

Sonho...

Suavemente percorro o teu corpo, cada milímetro deposito linhas de prazer. Toco-te em cada curva em cada canto, sugo-te a tua aura feminina. Entrego-me, entregas-te, nesse calor de corpos que se misturam horas a fio de prazeres.
Chamo-te de pétala, dália, jasmim, peróla. Chamo-te de amor, doce e suave. Apenas sussurras no meu ouvido o meu nome. Sinto um arrepio atravessar-me o corpo.

Dispo-te a alma, visto-a de amor quando toco-te e sinto o teu corpo quente junto ao meu corpo. Levo-te a lua sem saires da terra e não te trago te volta. Por lá ficas. Nua, despida de dor. És a droga que me alimenta os sonhos. Esta noite será noites de vários dias, será madrugadas, será magia, será feitiço. Toco-te vezes sem conta. Como um animal selvagem devoro-te os sentidos.

Entranho-me em ti, rasgo-te o corpo de prazer, suspiras mordendo os meus lábios.

Fazemos amor nos jardins da Babilónia misturando-nos com flores.

Fazemos amor junto as estrelas, teus olhos brilham.

Fazemos amor a beira-mar, misturando nossos corpos com areia molhada.

Entrego-me a ti, entrega-te a mim

Acordei... Foi um sonho.

Aonde estás? No vazio encontro a resposta.




música: Be Without You - Mary J.Blige

publicado por Ejamour de Carvalhais às 11:10
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Abril de 2006

A dança das andorinhas

Cruzam o Céu
Beijam-me a alma numa serenata de amor
Dançam ao som do beijo das estrelas
Um pássaro negro corta-me o caminho
numa estrada de paixão.
Dançam as andorinhas, dançam e eu bato palmas
com o coração. Canto na voz dos anjos essa dança.
Vejo andorinhas beijarem-me o coração
Sinto-as..
.
O Céu azul
a lua de paixão
andorinhas voam e dançam junto aos meus olhos banhados de lágrimas...




publicado por Ejamour de Carvalhais às 15:35
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Abril de 2006

Chega... Chega... Chega...

De olhos fechados sinto a fúria de quem quer ver

De coração dorido sinto a dor de quem se perdeu no fundo do túnel

Grito dentro de mim: Chega... Chega... Chega...

Insistemente reviro-me em busca de respostas. De mim só sei de mim.

Sei do tempo que já vivi

Sei dos amores que me fugiram

Sei das paixões que me queimaram o corpo.

Sei das lágrimas que já perdi em nome dos outros, em meu nome.

Grito novamente:Chega... Chega... Chega...

Este coração pedi emprestado a um anjo que perdeu-se no encanto das estrelas, perdeu as asas que lhe fazem fugir da dor

Visto e dispo a lua com frases e poemas. Vem, beija-me e tira-me esse grito.

Chega... Chega... Chega

música: Calling all Angels - Lenny Kravitz

publicado por Ejamour de Carvalhais às 09:26
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Abril de 2006

A todas as crianças do mundo inteiro que a luz do AMOR seja o vosso caminho

http://templox.tripod.com/direitos_c.htm.
Eu já fui criança
Eu já fui inocente
Eu já tive o coração de veludo
Eu já chorei porque não tinha um
brinquedo
Eu já me assustei(e ainda o faço) com que o mundo mostra-me
Eu já chorei porque era criança
Hoje sou um homem e ainda choro quando me lembro
que fui criança inocente

A todas as crianças do mundo inteiro
que não têm um tecto
que não têm um abraço
que não têm um sorriso
Deixo-vos aqui as minhas palavras.

(Aconselho a todos a visitarem o link acima e que nunca se esqueçam que tambem foram crianças)

publicado por Ejamour de Carvalhais às 10:26
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

A resposta...

Perguntaste por mim ao vento,

o vento calou-se

Perguntaste por mim ao tempo,

o tempo fechou-se

Perguntaste por mim ao Amor,

o Amor respondeu-te:

Ele é meu filho.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 09:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Abril de 2006

Momento

Retratos de palavras consumidos pelo o tempo

Cansado desta espera

Fico perdido num oceano de palavras que me

abrigam os meus momentos

Pensamentos...

Uma vela acesa faz-me brilhar os meus olhos

castanhos mas tristes.

Tristes, mas fugazes no amor.

Ainda tenho acesa a vela da esperança


publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:13
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Abril de 2006

Despe-me

Despe-me

Ata-me a cama

E consome-me com amor

Esse fogo que me queima

A alma

Despe-me

Eu serei teu

Tu serás minha

Não haverá dois corpos

Haverá sim somente um corpo

E uma alma juntos fazendo um só

Despe-me...

Sussurra-me ao ouvido a loucura

Do teu prazer

Sinto-te…


 

 

Os anjos fazem amor? Alguém me pode responder?


publicado por Ejamour de Carvalhais às 10:24
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sábado, 1 de Abril de 2006

A ti que me lês...

Acompanhas as frases, em momentos que só a ti te pertencem.

Voas o pensamento nas linhas que te tocam a alma. Ou das frases que te agitam o coração.

Revoluções dentro de ti, como águas turvas, ou das manhãs que te embalam os olhos de um Sol que te ilumina o rosto.

A ti que me lês no esconderijo da tua vida, no teu canto, recanto aonde te encontras e observas-me nas linhas que mostro-te.

Sou o que lês perdido na minha ausência.
Sou ausente de mim mesmo quando procuro-me e encontro-me… Ou talvez não.

È nesta essência de palavras que mostro o meu sentir.

É nesta folha negra e em outras folhas que me desfolho como um livro antigo escondido num baú ou numa estante abandonada…

Sente-me em cada linha… Não são sentimentos fingidos, são sentidos, como o reflexo de uma imagem num espelho, ou como a dor de uma lágrima que se esconde no canto do olho.

 

A ti que me lês, mostro-te o caminho do rio da vida…

A ti que me lês, mostro-te um anjo que abre as asas do amor…

A ti que me lês, mostro-te estas palavras que não sei aonde as vou buscar.

 

A ti que me lês, deixo abertas as portas da minha alma.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 11:48
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo