Sexta-feira, 28 de Julho de 2006

Detalhes teus...

Vai... Vai
Parte para longe de mim
mas leva-me contigo
Talvez serei feliz
Talvez secarei as minhas lágrimas
Neste mar que é meu, neste rio
que me molha o corpo
Eu direi fica

Vai... Vai
Deixa que te diga o quanto sofro,
o quanto sinto-me preso em ti
este beijo levarás, neste coração
ficarás. Neste corpo que nunca
foi amado

Vai... Vai
Mas volta como as ondas do mar
ainda que partas sem retorno
Procurar-te-ei em todas as portas
do Céu, levarei o teu retrato
o teu doce olhar no olhar do luar
e nas flores que eu vejo o teu olhar

Vou fechar os olhos
eternamente para não ver
o tempo passar sem ti.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:53
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Quinta-feira, 20 de Julho de 2006

Feiticeira

Na magia do teu sorriso encontro os sentires dos anjos
Cobrindo-me desse momento, deleito-me no teu rosto
no veludo da tua pele. Uma canção faz estremecer o teu corpo
Desejo toca-lo, senti-lo junto ao meu corpo.
Parece que as estrelas brilham mais cada vez que te vêem
o mar abraça-te, eu abraço-te nos meus sonhos
Sim, confesso que sou um sonhador... Que culpa terei?
Terás o meu amor e eu não terei nada
Terás o que procuras em mim e eu em ti
apenas terei um momento, que durará
na eternidade dos meu sonhos
Teu feitiço entranha-me no corpo
num desejo incontrolável como a pressa que o rio tem em chegar ao mar
Misturo-me com o cheiro do teu corpo cada vez que me cruzo contigo. Somos desalinhados como as dunas, ofereço um poema na voz do vento não sei se me ouves.
Teu feitiço levou-me todos os sentidos hoje guio-me pelo nada que em mim existe.
música: At last - Michael Bolton

publicado por Ejamour de Carvalhais às 09:04
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quinta-feira, 13 de Julho de 2006

Mais um ano comemoro :)

Quando comecei a escrever eu era ainda muito novo, numa terra muito distante a minha mãe tinha feito anos e eu não tinha nada para lhe oferecer, ofereci um poema e a minha mãe guardou-o no coração. Desde ai nunca mais parei.
Não sei de onde me vem estas palavras que aqui vos mostro.
Sinceramente não sei. Passou mais um ano e todos os dias agradeço-vos os vossos comentários, as vossas visitas, os vossos elogios e por gostarem do que escrevo. Agradeço profundamente.
Nunca irei parar de escrever nem quando a morte me beijar, serei as cinzas das palavras, estas singelas e humildes palavras.

"Assim como o vento embala as folhas e atira-as ao chão num beijo longo, cantarei as palavras que a minha alma me diz ao ouvido.
Assim como o luar tenta abraçar o mar num abraço profundo eu estarei aonde me querem
Assim como o tempo atravessa a minha vida, oferecendo-me um doce beijo eu verei dentro dos olhos de um anjo"

Parabéns

Nas asas do Amor

Olhem o Amor com os olhos do coração

Sempre

Jamour
música: Parabéns a voçe :)

publicado por Ejamour de Carvalhais às 08:46
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo