Terça-feira, 29 de Maio de 2007

Telas vivas de Mr.John

(foto:Jamour)

Mr.John

Telas encostadas as paredes que te cercam na viva chama

da inspiracao.

Pinceis dancam na melodia das cores.Varias cores como o arco-iris.

O artista nao morre enquanto a cor das suas telas beijarem as almas

de quem as observa..

Ausente como um quadro, sem nome, sem rosto, todas as cores tem a magia

de um sentir.Pintar um rosto nao sera o mesmo que pintar o voou de um passaro?

A beleza de um quadro reside nos olhos do artista. Cinzeiros cheios de cinza, cigarros mal apagados. No ar, o fumo abraca o momento, quadro e artista sao apenas uma so corpo uma so alma. Uma lagrima nao 'e apenas uma lagrima, 'e mais do que uma lagrima. Como um adeus sem palavras, nao se ouvem vozes mas sente-se o momento e nesse adeus ficam as palavras mortas no momento.

Nos quadros ficam as cores, sentem a saudade, o nome escrito em cada quadro vive e sobrevive o esquecimento do tempo.

Parti para um lugar distante sem nome...

Parti sem dizer uma unica palavra...

Todas as minhas palavras deixei nos quadros que pintei.

 

Dedicado ao Mr.John.(Joao Montes - Descansa em paz)  

tags:

publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 15 de Maio de 2007

Chuva no espelho

(Foto:Jamour)

Neste caminho de palavras

amenas

sentidas, ruas repletas de gentes, caminham na correria do tempo

Chuva cai, limpando a sujidade das ruelas.

Uma tela cinzenta como o dia que se entrega no amanhecer descolorido

Chuva no espelho

Chuva sem rosto

Chuva que cai sem escolher o lugar

Como o amor que nasce sem escolhas, sem pedir consentimento

Daqui, desde lado, lugar desconhecido, mas sentido

Sinto a chuva e vejo seu rosto nesse espelho embaciado.

sinto-me: chuva

publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo