Domingo, 21 de Setembro de 2008

Desencantado

Ando desencantado com o amor.

Por mais que eu ame e procure por amor, encontro o sabor amargo da desilusao. Ou serei eu que dou muito valor ao amor e sentimentos validos nao fingidos, nao pretendidos apenas sentidos...

Ando desencantado com as mulheres que atravessam a minha vida, algumas trazem adornos com a palavra amor, amor de pouca dura como o Sol no inverno. Tenho andado livre e solto como o vento, nao procuro mais que sensacoes vividas e sentidas genuinas, sao olhares que me atravessam buscando o meu olhar. Tenho encontrado mulheres que so me dao o corpo e nao alma, eu procuro por uma mulher que me de primeiro a alma depois o corpo. Tenho fome de amar, fome que me posso alimentar amando-me sem rodeios, sem medos, sem pensamentos vagos, porque nas asas do tempo vive o esquecimento esquecido, e nunca por vezes lembrado...

Eu nao sou poeta se fosse escreveria amor como quem bebe a chuva que um anjo traz para terra do Nada. 

Eu ando desencantado com o amor, na minha cama solitaria, vazia e fria eu encontro lembrancas de mulheres que tantas vezes me disseram ao ouvido:"ah como eu te amo..." Talvez ate seja como uma tatuagem,marcada no corpo. Viver sozinho e como carregar um fardo tao pesado sem destino, como um comboio que nao para em todas as estacoes.  

Ando desencantado, talvez ate seja por um momento, apenas por um momento e nao para todo o sempre.

 


publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:12
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Eu conheco uma mulher

Conheco uma mulher que ficou gravida aos 17 anos

chorou a um canto escuro amargura da vida...

Nao chorou por ela... Chorou pelo filho que trazia no ventre.

Conheco uma mulher que e tao linda que parece uma flor

dos jardins suspensos da Babilonia, e quando ela passa

na rua do amor, anjos protegem sua alma

suavizando-a da dor da vida.

Conheco uma mulher, no seu jeito de deusa enfeitada, com olhar

de luar e sorriso brilhante como as estrelas caminha na terra que ela

tanto ama, na chuva que ela ouve no seu telhado protegido por Deus.

Eu conheco uma mulher que antes de ter nascido eu ja a conhecia... Esta

mulher e minha mae, e esta crianca sou eu.

 


publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:05
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo