Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

A dor que sinto e nao sinto

Fecho os olhos neste espaco que nao 'e meu

vejo dentro de mim esse vazio que deixaste

com uma so lagrima.

Eu parti para um lugar desconhecido... Deixei o hoje,

o ontem e o amanha escrito nas folhas brancas de um diario perdido com o tempo.

Sinto dor do que nao 'e meu, do que 'e teu... Cicatrizes dentro de mim como uma tatuagem marcada para toda vida.

Eu ja nao sou o que fui, sou apenas o que tenho sido, neste presente de vida, respiro com o mar, labios salgados de uma boca que 'a muito nao sente um beijo.

Que saudades tenho do teu beijo

Que saudades tenho do teu corpo, pele macia,

cabelos de veludo.

Que saudades tenho do teu suspirar no meu ouvidodizendo:Eu amo-te ate a morte.

Eu ja morri desde o dia que senti uma dor nao era minha.

Vou partir para outro lugar ainda mais distante, mas deixo, uma frase que escreverei nas paredes da tua alma...

"A dor que sinto e nao sinto eu deixei aonde o vento perdeu as asas..."


publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo