Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2010

fecha os olhos

Se eu fosse Deus

Eu iria te amar

como deusa

Ate a minha morte

Se eu fosse poeta

o teu corpo

estaria nas minhas

maos como um poema

de amor

Da-me

a tua alma

vou fazer uma melodia

fecha os olhos

vou-te amar de olhos

fechados


publicado por Ejamour de Carvalhais às 19:14
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010

Dentro de mim eu...

Eu tenho amor...

Dorido,

Ferido,

Perdido,

Solitario...

Amor doce como o mel,

sagrado como os templos

de Jerusalem.

Eu tenho amor...

Aventureiro,

Timido,

Guerreiro,

Forte como as tempestades,

quente como os vulcoes, amor

como as quatro estacoes.

Eu tenho amor e nao o posso negar,

ainda que seja imperfeito, sem rosto.

Tenho-o dentro de mim (amor) devorando-me

o corpo como as borboletas sugando o nectar

das flores sorridentes, tirando-me da

solidao, das desilusoes que semeei

do vazio que colhi, e tenho vindo a colher

como as lagrimas que deposito no altar

da minha alma.

Eu tenho amor e sempre o terei ate ao

meu Fim.

sinto-me: sorrindo para a vida

publicado por Ejamour de Carvalhais às 17:24
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

Asas Sagradas

Unicornio...

Capricornio...

Sentido nato, inato,

orvalhos em folhas secas

com rostos de borboletas.

Lendas vivas, imortais, fogo

consome corpos, deixando livre

a alma.

Sangue de escorpiao

espalhado no chao,

amor venenoso, proibido,

labios frios como a neve a polar....

Soltar a voz no silencio dominate,

revolta acesa, velas dolorosas,

iluminama dor escondida.

Correntes a volta do corpo

atado a tortura interior...

Sentimentos frageis como cristais...

Chao sagrado, pes descalcos...

Brota a semente na terra

fertil...

Liberdade...

Fraternidade...

Viver em sociedade...

Vem...

Vem...

Vem...

O medo ja partiu numa viagem

sem retorno...

Ficaram as asas sagradas.

 

sinto-me: Paciente/Positivo

publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 3 de Janeiro de 2010

Ate amanha aurora

Pedacos de espelhos

espalhados no chao,

imagens deformadas

de um retrato pintado

a mao. Mistura de cores,

o azul tornando-se vermelho

Paredes brancas marcadas

por maos solitarias, corpos

vazios.

afectos ausentes, olhos fechados

trazendo lagrimas secas. Aurora

sonhadora caminha lentamente em

busca do beijo da paz perdida.

Procura incessante, contagiante.

Envelhecem florestas criadas na

imaginacao do coracao.

Ate amanha aurora


publicado por Ejamour de Carvalhais às 16:38
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Janeiro de 2010

Redoma sentimental

(foto retirada da internet)

 

 

 

 

Estou cansado de mim.

De sentir-me

De olhar-me do outro

lado da rua.

Cansado de comecar tudo de novo,

olhar o passado como se fosse o presente

e o futuro ao mesmo tempo.

Como se de um ciclo se trata-se.

Os erros do passado sao pesadelos

do presente talvez eu nao seja o

unico nesta imperfeiccao mundana.

Redoma sentimental de afectos prisioneiros,

de perguntas sem respostas.

Estou cansado de me sentir sozinho,

pacientemente espero por mudancas

numa viagem com destino terminal.

Alegro-me apenas de fazer parte de mim,

de saber que sou um soldado da vida...

 

sinto-me: Paciente/positivo

publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:25
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links