Domingo, 2 de Abril de 2017

Abraço não sentido

Foram-se as palavras

ficaram os abraços, tempestades de sentimentos

aglomerados num baú envelhecido.

Hall de entrada, de retratos que amam uma casa, 

puxadores nas portas de várias mãos, de vários olhos

vedados, dois braços abertos, um abraço que se esconde,

lágrimas amanhecem

caem como folhas secas

tilitam como gotas de água de uma torneira mal fechada.

Adeus sem palavras

silêncio sentido, no logradouro esverdeado, 

vidas como um baloiço, carrocel imparável.

Talvez amanhã... Em plena madrugada, ouvir-se-á a voz

do abraço.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 22:04
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo