Sexta-feira, 29 de Abril de 2005

Silenciosa...

A noite que perdeste as lágrimas.


Um abraço soltou-se. Num adeus sem palavras.


O luar fechou-se aonde as lágrimas se perderam, no templo da tua alma. O teu sentir o vento para a terra de ninguém levou, na sombra da saudade ficou o que os teus olhos um dia se encantaram..


Esconder os sentimentos e lutar contra eles. Terás um dia a tua vitória? Ou a tua derrota? Terás um dia o que não pediste ou o que nunca foi teu... Nós não pedimos que a morte nos beije... Simplesmente fazemos parte deste ciclo. É como no amor... Nunca pedimos para amar. Amamos ou odiámos, eís a nossa essência. 


A noite que perdeste as lágrimas, seriam as tuas lágrimas? Noite que nunca foi tua, foi de outras almas, de outros momentos. Ficou sim um sorriso perdido no meio da noite, uma lágrima que amou o teu rosto, numa despedida silênciosa. 


 


publicado por Ejamour de Carvalhais às 11:30
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo