Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2005

...

abraça-me.jpg 

Abraça-me...


Esconde-me...


Aperta-me contra ti e não me deixes voar sem o coração...


Fala-me de amor em todas as noites que me sentes junto a ti.


Abraça-me, como o mar quando abraça a areia molhada, acariciando as conchas.  


Abraça-me, junta teus lábios aos meus... Dá-me vida, dá-me o sabor de ti. Dá-me tudo de ti sem pedir.  


Abraça-me com todas as forças da tua alma.


Abraça-me sem te pedir e eu nunca perderei a rota do amor.   


publicado por Ejamour de Carvalhais às 15:20
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 10 de Fevereiro de 2005 às 12:55
Bom dia

Passei para te dar uma boa tarde, e já agora aproveito para te dar um abraço amigo. Gostei do Poema. Beijinhos
Ssimpatiaassimpatiaa
(http://souapenasmulher.blogs.sapo.pt/)
(mailto:ssimpattiaa@pop.com.br)


De Anónimo a 9 de Fevereiro de 2005 às 20:58
Não há nada melhor do que amar assim, ter o abraço certo, um carinho, uma palavras. Ter junto de nós quem amamos e sentirmos a reciprocidade desse amor.
Gostei muito e vou voltar.flor
(http://petalas.blogs.sapo)
(mailto:fmdp@sapo.pt)


De Anónimo a 8 de Fevereiro de 2005 às 12:59
Lindo...gostei muito deste post, muito expressivo.Sentir o abraçao de quem amamos por vezes é como uma salavaçao para nós...o amor... * *Claudia
(http://pensamentosestranhos.blogs.sapo.pt/)
(mailto:fofa2@msn.com)


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links