Terça-feira, 28 de Dezembro de 2004

Vi...

Vi olhares de afecto... Gestos de afecto intermináveis, minhas lágrimas na hora da despedida, meu sorriso na hora da chegada.
Vi sorrisos de contentamento... Vi almas debaixo do luar abraçadas ao vento. Vi a lua encantada repleta de afecto. Vi um sonho tornado realidade... Vi-te no tempo que nunca mais te vi. Vi-te minhas raizes, da vida que me deram. Agradeço-vos na profundidade da minha alma.
Vi minhas lágrimas dizerem um adeus silencioso, um até breve na hora do regresso...

publicado por Ejamour de Carvalhais às 10:30
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 30 de Dezembro de 2004 às 20:30
Para mim tem sido dificil explicar o que é o amor.
Tu já lhe colocas-te asas.
Será que já percebeste o seu poder? vitor
</a>
(mailto:paralisado@hotmail.com)


De Anónimo a 30 de Dezembro de 2004 às 18:56
Caro amigo Jamur,
Pediu para visitar o seu blog e eu vim.
Gostei, mas está a faltar fazer os paragrafos.
Boas Festas.lobobranco
(http://lobobranco.sapo.pt)
(mailto:jfernandogamaro@sapo.pt)


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo