Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2005

Set me Free

253401.jpg 

(Imagem retirada da net)

 

 

Leva-me para a casa

 

deita-me na cama,

 

suaviza-me o cansaço do corpo.

 

Liberta-me de mim

 

parei no tempo sem ti.

 

És o sonho que ainda não sonhei

 

És a dor que ainda não senti

 

És o verso de amor que ainda não escrevi

 

És a lua, nua, despida que ainda não vi

 

Liberta-me dessa dor que não é minha

 

leva-me no calor da noite,

 

nos teus braços que ainda não adormeci.

 

Fecha-me numa caverna de amor.

 

Acende a luz da felicidade nos teus olhos.

 

Liberta-me…

 

Ouve o meu grito

 

Sente o meu desespero.

 

Eu espero tanto faz de dia

 

ou de noite.

 

Liberta-me... Nesse suspiro minha voz

 

encontra teu corpo...  

 


publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:53
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 14:49
ataste-me à tua "prosa" como um fio de água que escorrega da bica. tão leino, tão leino, que quebrá-lo, perder-se-ia vida e não haveria razão justa. envolto numa "pele" macia, testifica a brandura da força que fura. não se corte essa corrente e se louve a pedra.








prensoa
</a>
(mailto:uni@portugalmail.pt)


De Anónimo a 15 de Dezembro de 2005 às 10:31
LIBERTA-ME! Um pedido que às vezes fazemos... com vontade de continuar aprisionado em doce aconchego!Mily
(http://calunguinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:calunguinha13@hotmail.com)


De Anónimo a 12 de Dezembro de 2005 às 21:34
oi gostei mt de visitar o teu cantinho...ta mt bonito voltarei mais vesses
espero k tb gostes do meu e k voltes sp tambem
e k deixes a tua opiniao ( fantasya =))
o meu blog é: http://fantasyas.blogs.sapo.pt

<
[Error: Irreparable invalid markup ('<há>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

oi gostei mt de visitar o teu cantinho...ta mt bonito voltarei mais vesses
espero k tb gostes do meu e k voltes sp tambem
e k deixes a tua opiniao ( fantasya =))
o meu blog é: http://fantasyas.blogs.sapo.pt

<<Há um silêncio medido
que decresce, interrompido
por uma chuva noturna e grossa.
Há pneus passando
logo em frente desta porta.
São chiados transitórios de trânsito,
que cortam em partes esta noite.
Há uma memória de beija-flor
visto pela tarde
conectando inquietos pensamentos.
Há sementes de girassóis,
para eu plantar, só para te contar.
Há orquideas esquecidas nos xaxins
bebendo águas em gotas.
Há uma rua tão calada,
cães que agora não ladram,
televisões desligadas.
Há uma mulher sem sono
em cama macia e quente
e há um amor ausente...>>marta <br><a href='http://fantasyas.blogs.sapo.pt'></a> <br><a href='mailto:marta_ribeiro21@hotmail.com'></a>


De Anónimo a 12 de Dezembro de 2005 às 12:19
amo-te...SHINE
(http://.)
(mailto:mssinet@hotmail.com)


De Anónimo a 10 de Dezembro de 2005 às 22:56
Diria desta leitura: um "grito" de liberdade sobre um já cansaço. Beijinhos.Maria do Céu Costa
(http://www.maisquepalavras.blogs.sapo.pt)
(mailto:mariaceucosta@sapo.pt)


De Anónimo a 10 de Dezembro de 2005 às 22:28
Gostei muito... está uma delícia, beijinhosAran_aran
(http://capricornioemim.blogs.sapo.pt/)
(mailto:arab_aran@sapo.pt)


De Anónimo a 10 de Dezembro de 2005 às 14:17
"Acende a luz da felicidade nos teus olhos". Gostei muito do que aqui li. Parabéns e um bom fim-de-semana.Carla Soares
(http://www.cantinhodacultura.weblog.com.pt)
(mailto:cantinho_da_cultura@sapo.pt)


De Anónimo a 9 de Dezembro de 2005 às 23:13
Bonitos poemas que sempre escreves. Um abraço.Laços...
(http://fly4you.blogs.sapo.pt)
(mailto:arquitectura@escala-urbana.pt)


De Anónimo a 9 de Dezembro de 2005 às 21:13
Que a tua libertação,seja a prisão do teu amor.
No sonho, um sorriso dourado de emoção.
Adorei o teu poema.
Beijinhos e bom fim-de-semana.
ariaIIMaria
(http://vahalla.blogs.sapo.pt)
(mailto:Mariam12@sapo.pt)


De Anónimo a 9 de Dezembro de 2005 às 18:42
Palavras e versos que revelam um romantismo e um dissimulado e tentador erotismo... Será??
Muito bem!
Excelente fim de semana...
Miguel
(http://vertentespoesia.blogspot.com/)
(mailto:as1140188@sapo.pt)


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo