Quarta-feira, 13 de Outubro de 2004

Cidade dos anjos - “Quem me dera ser as lágrimas dos anjos do amor”

Abrem-se portas, as portas do amor. Luzes junto as árvores fazem sombras de folhas que nunca secam. Retratos de poemas, pendurados nas paredes da cidade, frases soltam, as mais dóceis palavras, únicas no seu sentido.
Todas as flores dos jardins, são amadas. Todos os momentos na cidade dos anjos têm outro sentido, outro sabor. Formas de amar e versos de amor intermináveis fazem-se por de traz das estrelas… São expostos nos olhares dos anjos, nas frases, nos gestos e vivem sob a luz da verdade e da esperança. É um lugar aonde o amor nunca morre, sobrevivi, transformando-se como um gigante, elevando-se como uma pena junto ao vento… A leveza do amor pode ter essa essência, essa simplicidade da cidade dos anjos.
Da cidade, voam os anjos, voam noite e dia protegendo almas que se perdem por amor e nunca mais se encontram. Olhares que se escondem, sombras de corpos que fogem dos próprios corpos. Vidas consumindo o vazio, procurando por algo, por alguém, na obsessão da felicidade. Quem acredita no amor a alma pertence aos anjos.
Cada anjo tem uma função mas vivendo na sombra do amor, permanecendo o intacto de um sentir. São formas de afecto jamais esquecidas seja de dia ou de noite, a chuva ou ao vento, nas quatro estações. É intemporal amar na cidade dos anjos.
As flores dos jardins são Caprichadas como verdadeiros retratos, são abraçadas pelo o vento que as asas dos anjos fazem. As borboletas e as flores são apenas um corpo, um ser, com toda sua simplicidade. Os beijos das flores voam em todos os lugares, em todos os momentos da cidade. São beijos de rosas, de margaridas, jasmins, orquídeas, dálias, tulipas… Beijos voando junto ao vento, espalhando o perfume das flores em todos os lugares da cidade.
Na cidade, são várias as torres como que tocando o Céu, estrelas e luar iluminando-a… Anjos em todo o lado; nas árvores, junto ao mar, alguns fazem enormes castelos de areia em forma de corações. São vários os olhares dos anjos na essência das almas. Nas sombras dos corpos que buscam o amor, no veludo mágico das sensações únicas, verdadeiras, no amor e na fé.

publicado por Ejamour de Carvalhais às 10:44
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 19 de Outubro de 2004 às 15:31
Lindo a emoção de te ver já fala mais alto que a própria razão que me diz não é uma atitude sensata, contudo sinto-me incapaz de permanecer rendido a tais estados de alma que me alienam e transportam para um maravilhosos mundo do qual tenho sempre vontade de partir e do qual custa tanto dizer adeus... QUERO MUITO ESTAR CONTIGO JAMOUR!!!Bia
</a>
(mailto:biaola@hotmail.com)


De Anónimo a 13 de Outubro de 2004 às 11:04
Olá, este é um blog todo cheio de romantismo, muito bonito, com textos repletos de conteúdo e mensagem. Parabens, gostei muito. Se quiser visitar o blog de uma amiga minha, aqui vai a sugestão do blog: http://docerebelde.blogs.pt.
Vou voltar.Azle
</a>
(mailto:Azle2004@mail.pt)


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo