Segunda-feira, 26 de Julho de 2004

Amor silencioso.

Uma vela acesa, quatro paredes, sonhos e amor desenhados nas paredes. Dois corpos, juntos fazendo um... Pétalas cobrindo os corpos, lençoís espalhados no chão. Luar lá fora brilhando junto as janelas. Sombras de corpos, de árvores, de gatos miando, procurando amor?
Dois corpos fazendo um, trocando juras de amor, dois corpos, uma só alma voando abraçadas ao amor, ao desejo. Detalhes de veludo retratados nas quatro paredes, voa o desejo, o momento é de poema em movimento, a chama que arde é paixão que devora as almas.

publicado por Ejamour de Carvalhais às 08:40
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo