Sexta-feira, 31 de Março de 2006

Chorar por alguém...

Sombras de corpos que se escondem no vazio sentido.
Doi ver olhares que perdem o brilho da vida.
Choro por ti que não tens um tecto para albergares a tua alma
Choro por ti que me tens amor. Choro por ti que me tens ódio.
Nestes dias cinzentos procuro teu olhar no arco-íris que atravessa o Céu cinzento. Pinto telas nos sonhos. Retrato e quadros mágicos de sentires reais. Choro por ti que foges na correria do tempo.
Esquecendo os valores que nos fazem viver em comunhão.
Choro por ti e por mim que me fecho nas asas da solidão... Até que chegue um amanhã diferente.

publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:07
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Maria a 31 de Março de 2006 às 18:42
Sabes que chorei ao ler-te?A minha alma não anda em mim é como se estivesse de luto.
Adorei
Beijinhos
Maria


De Ana Luar a 31 de Março de 2006 às 21:47
Se eu chorar tu fazes-me mais um poema lindo como esse? Não me tentes pk eu ando muito sensivel a coisas bonitas como as tuas palavras.


De o teu silêncio a 5 de Abril de 2006 às 20:29
...porque os silêncios, e as cores com que os formas, são gritos que encerras entre palavras...frases, letras.... onde o teu olhar ruma vagabundo a "nuveares"...terra minha, onde entre as vozes, soam mais os silêncios.....


De Aran_aran a 8 de Abril de 2006 às 20:10
Nem sei bem que dizer... mas gostei muito, um beijinho grande e um sorriso!


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links