Sábado, 1 de Abril de 2006

A ti que me lês...

Acompanhas as frases, em momentos que só a ti te pertencem.

Voas o pensamento nas linhas que te tocam a alma. Ou das frases que te agitam o coração.

Revoluções dentro de ti, como águas turvas, ou das manhãs que te embalam os olhos de um Sol que te ilumina o rosto.

A ti que me lês no esconderijo da tua vida, no teu canto, recanto aonde te encontras e observas-me nas linhas que mostro-te.

Sou o que lês perdido na minha ausência.
Sou ausente de mim mesmo quando procuro-me e encontro-me… Ou talvez não.

È nesta essência de palavras que mostro o meu sentir.

É nesta folha negra e em outras folhas que me desfolho como um livro antigo escondido num baú ou numa estante abandonada…

Sente-me em cada linha… Não são sentimentos fingidos, são sentidos, como o reflexo de uma imagem num espelho, ou como a dor de uma lágrima que se esconde no canto do olho.

 

A ti que me lês, mostro-te o caminho do rio da vida…

A ti que me lês, mostro-te um anjo que abre as asas do amor…

A ti que me lês, mostro-te estas palavras que não sei aonde as vou buscar.

 

A ti que me lês, deixo abertas as portas da minha alma.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 11:48
link do post | comentar | favorito
|
10 comentários:
De Mily a 2 de Abril de 2006 às 02:17
As palavras que nos mostras, sem nem mesmo saber de onde as tira... busca-as, certamente, no mundo mágico onde a poesia só se mostra para aqueles que possuem o dom de descobrir seus encantos... assim como tu fazes. Beijos e o desejo de um domingo de doces sorrisos.


De Magia a 3 de Abril de 2006 às 11:51
Em ti que te li, encontrei a sensibilidade das palavras que não escreveste.Em ti que te li descobri palavras perdidas nas entrelinhas da escuridão que confunde quem não quer ver!

http://blog.comunidades.net/amagiadaspalavras/index.php


De apenas mulher a 3 de Abril de 2006 às 19:48
[Tatiana V. Mattos]

Eternamente sua

Serei eternamente sua pois,
só tu conheces meu cheiro,
meu gosto e meu corpo.
Tu podes me magoar,
me fazer calar e,
ainda assim serei eternamente sua.
Deixarei que beijes outras bocas,
que toques outros corpos,
que sintas o prazer de outros gemidos
e que conheças o íntimo de outros seres.
Deixarei.
Para ter a certeza de que
voltarás e que entenderás que
quando beijaste outra boca
– era a minha que tu querias,
que quando tocaste outro corpo
– era o meu que querias tocar,
que quando sentiste o prazer de outro gemido
– era o meu que querias sentir e, que,
finalmente, quando conheceste
o interior de outro ser
– era o meu interior que tu buscavas
em tuas infinitas procuras.
Deixarei-te livre, para teres a certeza
de que és meu e, assim voltar
com a certeza de que ficarás.
E então, depois de tantas buscas infindas suas,
revelarei-te que estava a sua espera,
assim como sempre estive.
E seremos eternamente nós.



De Angel of Obscurity a 3 de Abril de 2006 às 20:25
A ti que escreves agradeço todos os momentos que me proporcionas, todas as leituras, doces ou trágicas, afáveis ou sofridas, crueis ou mágicas..
A ti que escreves dedico um grande e sincero obrigado, esperançoso por que os teus dias sejam bons.. e que continues a proporcionar-me estes momentos.. sentidos.. sofridos.. encatados.. e principalmente maravilhados..
A ti que escreves.. deixo aqui um grande abraço;)


De Aran_aran a 3 de Abril de 2006 às 23:23
E a ti eu te digo obrigado por partilhares o outro lado!!!! ;) Um beijinho grande


De Maria do Céu Costa a 4 de Abril de 2006 às 13:20
Que lindo desfolhar.

Beijinhos.


De marius70 a 6 de Abril de 2006 às 12:12
Olá jamour. Estive a rever os meus temas pois estou a mudá-los não para a nova plataforma do sapo que não me satisfaz mas sim para a http://www.simplesnet.pt/ pois ali os nossos blogs ficam exactamente conforme os tinha-mos na "velha" plataforma do sapo. Ao colocar o tema Luanda e ao transportar os comentários que lá tenho, verifiquei que tinhas dito que estavas em Benguela, eu não vim ao teu blog para te dar aquele abraço "africano". Da terra que transportámos nos olhos, do coração que lá ficou. :) Aiuê angolê.


De Cöllyßry a 30 de Maio de 2006 às 19:36
De facto são por vezes frazes que nos tocam o coração...e a Alma...Voltarei
Deixo meu terno olhar...
Cõllybry


De tulipa_preta a 29 de Agosto de 2006 às 19:49
simplesmente lindo
adorei


De joselessa a 6 de Maio de 2007 às 10:43
Bom dia Maria.
Esta tudo dito...
Só quero que saibas que gosto de ler o que escreves porque o fazes com AMOR.
Obrigado tambem pelas tuas visitas e volta sempre.
Beijinho duplo para ti e para a tua Mãe onde quer que esteja, se possivel na tua companhia.
José Lessa


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo