Sábado, 20 de Maio de 2006

O amor é um templo.

Um templo de portas abertas, retratos de aguarelas
vivas, semblantes encantados.
São montanhas revestidas do mais verde puro
que a natureza nos dá ou a mistura de várias cores.
O amor é um templo que se abre para as vidas que se amam... Sem dor e ódio.
Corpos marcados de amor. Lágrimas esquecidas.
O amor é amor no seu verdadeiro sentido da palavra. Essência, magia, simplicidade das coisas simples.
O meu templo está aberto...
O meu templo tem as cores dos olhos do amor.

publicado por Ejamour de Carvalhais às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De raiodeluz a 21 de Maio de 2006 às 04:11
oi
dificil falar do amor...
sentimento estranho, complicado de entender...tu tem razao, o amor nada mais eh do que um templo...que se abre, um templo, cheio de cores, aromas e sabores...
lindo texto.
adorei teu espaço!
espero-te.
bjo grande.


De Maria a 21 de Maio de 2006 às 17:33
O amor é mesmo um templo.
Bateu na minha porta e não pediu licensa.
Gostei muito deste teu post.
Beijinho
Maria


De Mily a 22 de Maio de 2006 às 02:41
O amor é tudo isto, meu anjo, e além disto, continua existindo na sua total simplicidade.

Beijos ternos na tua semana que desejo seja plena de sorrisos.


De Afrodite® a 22 de Maio de 2006 às 17:36
Confesso: Sou tua fã...
Vc é um poeta maravilhoso.
Escreve textos maravilhosos e eu amo te ler.
Deixo um Beijo Carinhoso Meu e Desejo Uma Ótima Semana.
http://tokdeseducao.zip.net/
;)


De lagoa_azul a 22 de Maio de 2006 às 20:43
Não anseio colocar o amor no pedestal desse templo teu,
Deixa que ele se passeie na calçada da entrada,
E que o amor não seja mais que uma lage que embeleza a entrada dos fieis,

Beijos com carinho


De Sandy a 26 de Maio de 2006 às 12:25
O Amor é um templo sim, mas onde também existe oração, desgosto, tristeza e razão. E esta, nem sempre anda de mãos dadas com o coração. beijinhos.


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo