Segunda-feira, 13 de Novembro de 2006

Apenas uma noite...

Quadro de Milu Ascenção

Era noite de luar, de estrelas que nos enfeitavam o olhar. Eu era mar e tu areia molhada, cheia de conchas de várias cores, de intenso amor que fazíamos quando eu te tocava. Eu não tinha lágrimas e tu só tinhas sorrisos. Eu tinha o canto das gaivotas e tu tinhas as dunas que o vento desenhava apaixonadamente em forma do teu corpo. Eu tinha o canto das sereias e tu tinhas os meus beijos que insistentemente sugava-te os lábios húmidos encantadoramente desejados por mim.

Eu tenho o corpo molhado cheio de espuma de mistérios e segredos, de almas que se perderam nas suas confissões. Eu era mar. Tinha os teus segredos, tinha o teu corpo nas minhas mãos, tinha os lamentos de quem chora, as vozes dos pescadores, e tu ali ouvias-me, o meu rugido de corpo ferido. Sim tenho o corpo ferido cada vez que te toco e não te posso ter eternamente. Eu sabia disso. Mas insistia cada vez que sentia o beijo do luar eu pensava em ti.

Eu era mar, e tu areia molhada, eu não tinha sonhos de dor apenas de amor, eu tinha os olhos postos em ti, a tua aura feminina que eu desejava cada vez mais e sempre mais quando havia temporais tu escutavas os meus poemas de amor com o teu nome. Nunca tive a certeza que fosses minha. A areia molhada pertence ao mar, ou o mar pertence areia molhada? Somos um todo? Seremos um todo?

Eu canto com a voz do vento. Eu guardo segredos meus e teus. Até quando saberei esperar? Até quando cantarei sem que me doa a voz. Dói-me sempre que te sinto e não te tenho nesse sonho que acaba de terminar. Acordei... Por uma noite eu fui mar e tu areia molhada.   


publicado por Ejamour de Carvalhais às 16:03
link do post | favorito
|
Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo