Sexta-feira, 24 de Novembro de 2006

Beijo-te assim...

Beijo-te assim, sugando-te os lábios

Sentindo o teu cheiro feminino,

contornando as tuas linhas,

amando o momento.

Beijo-te demoradamente

sentindo a tua respiração

ofegante

Desejos invadem-nos

Sou teu, és minha

o momento é nosso.

De prazer quero morrer

sempre ao teu lado

Dá-me a tua loucura

toma o meu corpo

alimenta-te

alimenta-me

Como dois

vampiros

sedentos

de amor...

"Morrerei por um beijo teu ainda que os dias passem a ser noites e as noites passem a ser dias"


publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:01
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Ni a 25 de Novembro de 2006 às 00:59
"Bem escondidinho, encontra-se a memória de um beijo..."

:) gostei especialmente deste poema...
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

"Bem escondidinho, encontra-se a memória de um beijo..." <BR><BR>:) gostei especialmente deste poema... <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>@keep</A> on ...


De Mike... a 27 de Novembro de 2006 às 15:18
No regresso...ao encontro de belas e nobres palavras!
Abraço


De Maria a 1 de Dezembro de 2006 às 00:57
Gostei deste teu beijo sedento,em que o amor é todo o teu tempo,em noites e dias...lindo jamour. :)
Beijinhos
Maria


De Moonlight_Isabell a 13 de Dezembro de 2006 às 14:42
hhhhuuuuuummmm que beijo. Beijocas e uma optima semana.


De Simona a 16 de Dezembro de 2006 às 00:12
O poema é mesmo lindo...
Acredito que vás longe com a tua escrita... bjs


De K a 17 de Dezembro de 2006 às 13:56
Belíssimo poema Jamour !!!! Palavras que despertam o desejo de beijar e incessantemente a intensidade do momento.
Beijos.


De Alcebíades josé a 20 de Dezembro de 2006 às 17:27
Pega... Leva a loucura, o corpo, mãos, pés e dedos. Deixa-me apenas ficar o teu cheiro na pele e assim nunca mais te esquecerei.


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo