Terça-feira, 9 de Janeiro de 2007

Até que um dia alguém abrace a minha alma

Sinto-me vazio

vago e distante

Sinto que perdi o que desejei

por momentos da minha vida

Toquei-te

Amei-te

Beijei-te os teus doces lábios

nos sonhos da minha vida

Tu eras sereia e eu era mar

Morri por ti...

Como se pode amar alguém

que não se conhece?

..............................Jamour......................................

(Hoje faço anos)

sinto-me: Como este poema
música: calling all angels - Lenny Kravitz
tags:

publicado por Ejamour de Carvalhais às 18:26
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Ni a 10 de Janeiro de 2007 às 10:13
Parabéns... :)


De Maria a 11 de Janeiro de 2007 às 15:59
Parábens mesmo atrasados :) e podes amar sim...porque o amor é tudo.
Beijinhos e um grande sorriso
Maria


De Moonlight_Isabell a 12 de Janeiro de 2007 às 15:08
Quando te sentires sozinha/o, olha para a lua/sol e vê que eles também estão sozinhos e nem por isso deixam de brilhar! Apesar de atrasados mas Muitos Parabens.Beijocas grandes e um óptimo 2007 e excelente fim de semana!


De Anna Lee* a 17 de Janeiro de 2007 às 02:51
É possível amar a fantasia de alguém que nunca tenhamos visto. O ser humano é dotado de livre arbítrio, mesmo conhecendo seus riscos.
É arriscado amar alguém que nunca vimos, tocamos ou sentimos, mas o que é o amor senão um eterno aprendizado?! Para amar, não existem limites!! Vá em frente e seja feliz!!!



Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links