Sábado, 9 de Junho de 2007

O proprio...

(foto:Jamour)

Eu nao tenho nada.

Eu sou abrigo de mim mesmo

Sou alma ferida e desalojada

Sou a escuridacao sentida, abracada pela voz da vida que me abraca dia e noite. Mas tenho pena de mim,

tenho pena do meu amor, esse amor que fervilha dia e noite, chama reluzente dos dias infinitos da minha mortalidade.

Vejo-me constantemente do outro lado

da rua, maos nos bolsos cabisbaixo

e choro por dentro.

Choro por todos que ja partiram...

Choro por aqueles que ainda aqui

estao...

Ja nao tenho forcas para chorar por mim.

Nao tenho amor, amigos, abracos sentidos e inesperados. Tenho dor e me sinto so. Sou assim, nasci assim.

O Tempo passa, e vejo-me sempre no mesmo lugar, na mesma rua deserta, de velas apagadas, algumas acesas, sem nada e sem ninguem, sem hora marcada nem dias, eu perdi os segundos, deste pranto que me beija.Eu nao sou triste, sou feliz a minha maneira... Esta maneira simples.

 Nao pedi essa vida, nem essa

vida me escolheu a mim. Como folhas secas que caem

perdidas nas asas do vento. Embalo-me

com versos de amor ferido.

Peco a minha morte... Peco que me tirem

desse pranto interior, ja nao

choro para me veres

choro para me sentires.

Posso gritar???

Ouves-me???

Rega-me a alma com um beijo teu

esse sorriso que me faz sorrir o meu sorriso

Eu sou assim...

Nasci assim...

Olha para mim, desalojado de mim mesmo,

eu nao sou triste, nem sou infeliz

apenas sou assim, nasci assim.

Olha, eu vou mudar de rumo

e quando mudar, eu sei, eu sei

que me vou ver do outro lado

da rua

O mesmo sentir...

As mesmas lagrimas...

O mesmo sabor de mim

mesmo.

Custa-me ser assim

Alguem quer o meu coracao?

Eu sei que um dia vou morrer,

eu sei que me verei do outro lado da rua a chorar a minha morte.

Eu sei.

Eu sei.

Eu nasci assim.

sinto-me: descupem a acentucao
música: ...

publicado por Ejamour de Carvalhais às 13:55
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Teresa a 11 de Junho de 2007 às 11:52
Nada morre, tudo isto é uma passagem
As lagrimas secam ao fim de um tempo
O coração vai serenando perante o amor ñ encontrado
E um dia sem mais esperarmos descobrimos uma luzinha de eseprança e olhamos em redor e descobrimos que valeu a pena todo o sofrimento, porque crescemos, aprendemos nos tornamos mais sábios e o fundamental é amarmo-nos a nós mesmos e aí o amor floresce e brota puro e lindo.
O segredo é ñ procurar e viver apaixonados por nós mesmos.

Eu falo mas ainda ando a aprender a amar-me...

Teresa


De denguepaz a 1 de Novembro de 2007 às 20:52
como e canuco parece que ja nasceste com tanto coro assim ve se longo que es puro mangole corista abraco forte sempre bicas


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo