Domingo, 24 de Junho de 2007

Como ama um anjo.

                                                                                                                  (Foto:Eu e filho de Deus)


Um anjo ama de olhos

fechados, mas de coracao aberto.
Ama, tanto faz de dia ou de noite
um amor intemporal
imortal.
Um anjo ama na alegria, na tristeza,
na solidao. O amor nunca e pedido
nem combinado, simplesmente
ama na simplicidade pura da essencia
do amor.
Um anjo nao ama com a dor de um corpo
ferido, ama sem dor, sem pranto,
as lagrimas transformam-se em beijos de amor.
A poesia do amor e feito de sinais e simples
gestos. Um anjo ama na simplicidade do sentir
tocando na alma com um beijo ausente,
distante
mas presente.
Um anjo ama na mistura dos corpos,
fugaz o sentir, chama ardente, voz quente
Ama assim dessa maneira simples como esse poema
nestas palavras que nascem em lugar incerto.
sinto-me: serei anjo??? :)

publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:16
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Moonlight_Isabell a 26 de Junho de 2007 às 14:54
Se Eu Te Pudesse Dizer
O Que Nunca Te Disse
Tu Terias Que Entender
Aquilo Que Nem Eu Sei

(Fernando Pessoa)

Beijocas e Uma Óptima Semana


De Maria a 27 de Junho de 2007 às 13:00
Olá meu amigo Jamour.
O amor sempre ele,nas asas de um anjo,que se quer luz.
Visita o meu blog,pois tenho uma nomeação para ti.
Beijinhos e um sorriso :))
Maria


De Teresa a 4 de Julho de 2007 às 18:25
Quero o amor de um anjo.....:-)

T


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links