Sexta-feira, 6 de Julho de 2007

O lugar de onde nunca sai...

                           Foto:Eu com 4 anos de idade:)

Eu sei que um dia eu vou voltar

para o lugar de onde nunca

sai e quando la chegar eu

plantarei o meu corpo na terra que me

viu nascer, serei arvore,

passaros do mundo farao ninhos de amor

nos meus galhos.

Eu sei que um dia eu vou voltar

para o lugar de onde nunca sai e quando

la chegar eu verei sorrisos que a muito nao vejo,

sentirei abracos que a muito

nao sinto e quando chorar,

vou beber das minhas lagrimas o sabor da 

saudade,

do amor,

e da amizade...

Eu sei que um dia eu vou voltar

para o lugar de onde nunca sai e quando la

chegar, eu farei poemas de amor dedicado as sereias do meu mar.Eu serei pescador ausente,

no alto-mar, um candeeiro aceso, um coracao

aberto.

Eu sei que um dia eu vou voltar

para o lugar de onde nunca sai e quando

la chegar eu cantarei a poesia do povo:

"Eu sou povo, sou gente, sou terra

quente, humida, eu sou luar,

sou o nascer do sol que faz abrir as flores..."

Eu sei que um dia eu vou voltar

para o lugar de onde nunca sai

e quando la chegar encontrarei a minha

alma, neste lugar que tanto amo.

Quando amamos o lugar aonde nascemos

por mais lugares que conhecemos

o lugar que nos viu nascer

perdura na memoria do coracao

sinto-me: Amante da minha terra
tags:

publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:39
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links