Domingo, 27 de Janeiro de 2008

Um amor, uma lágrima, uma dor.

 
Quantas mais lágrimas terei de chorar

para te mostrar o quanto te amo.
Quantas mais noites, quantos dias terei
de esperar para sentir o
meu amor no teu corpo.

Quantas luas vou vestir com poemas de amor
em teu nome.
Quantas mais estrelas farei
de retrato com o teu rosto.
Quantas mais lágrimas terei de chorar
para te mostrar o quanto te amo.
Quantas estradas desertas terei de percorrer,
quantas madrugadas terei de acordar, pedindo um abraço,
um beijo no coração.
Quantas lágrimas com o teu nome terei
de beber
para me matar a sede de amar.
Quantos gritos...Quantos gemidos de dor
terei de suportar.
Dor de te sentir
e não te ter.
Quantas mais folhas de papel
terei de preencher com poemas
e versos de amor.
Neste silêncio de palavras
sopro a voz do amor no ouvido
do vento dizendo:
Quantas mais lágrimas terei de chorar
para te mostrar o quanto te amo.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 17:40
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 28 de Janeiro de 2008 às 20:39
o poema e lindo,a musica entao nem se fala, tu es lindo e vejo k continuas o msm romantico de sempre....bjinho grande desta tua amiga sandra


De Maria a 8 de Fevereiro de 2008 às 23:03
Olá Jamour.
Espero que essas lágrimas sejam secadas com amor,
mesmo que ronde o silêncio.
Que profundo o teu poema, gostei muito e ainda bem que continuas por cá.
Beijinhos e um sorriso.
Maria


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links