Quarta-feira, 28 de Setembro de 2005

Amo-te mãe.

 


Lembraste mãe, daquela manhã pôs-parto, cinzenta, fria, sem arco-íris, sem Céu azul. Daquela manhã de vento, manhã de vento, manhã plena de janeiro. Pôs-parto, sempre me acompanhaste, sempre me falste do Tempo, de mim, de ti.


Lembraste, quando me perguntavas:"Como está hoje o meu menino?"


Lembraste do meu primeiro sorriso? Da minha inocência intocável, do meu coração feito de veludo, da minha alma recém-nascida plantada no Céu. Hoje estou aqui, sou apenas uma simples "testemunha" do que aconteceu naquela manhã pôs-parto... Manhã friorenta.


Lembraste mãe, quando me caiu o primeiro dente e chorei o dia inteiro. Disseste-me para atirar o dente para cima do telhado pois iria nascer novamente... Para mim tinhas sempre respostas para tudo. Lembraste, quando pela primeira vez fui para a escola e chorei com medo... Disseste-me que os Homens não choravam... Enganaste-me, pois ainda hoje choro as tuas lágrimas, as minhas. Uma ligação de mim para ti, cumplicidade no olhar, nos gestos. As tuas lágrimas moram no meu rosto, parece que tenho as mesmas rugas... Faltam-me os cabelos brancos, o Tempo que já viveste e vives, o Tempo que ainda vou viver...


Lembraste mãe, quando ganhei o primeiro brinquedo? De que cor eram as minhas lágrimas? Lembraste, quando perguntei-te o que era o amor. E tu respondeste:"É o que a mãe sente por ti..." Por isso digo: "Fui-me de ti, mas deixei-me ficar... Fui-me de ti mas trouxe-te, porque amo-te mãe..."


publicado por Ejamour de Carvalhais às 09:19
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Anónimo a 30 de Setembro de 2005 às 21:30
Um texto lindo e pleno de devoção.. como aliás deve ser o verdadeiro sentimento por uma mãe.
Tudo de bom para ti..
.
.
.
Miguel
(http://vertentespoesia.blogspot.com/)
(mailto:as1140188@sapo.pt)


De Anónimo a 30 de Setembro de 2005 às 12:32
Parabéns, pela forma como consegues expressar os teus sentimentos à pessoa que certamente te mais ama neste mundo...

Espelho Teuleonor
(http://espelhoteu.blogspot.com)
(mailto:sonhosdepalpel@hotmail.com)


De Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 21:31
Que ternura... magnifico texto!!! Parabéns e um beijinho! Adorei!!!Aran_aran
(http://capricornioemim.blogs.sapo.pt/)
(mailto:aran_aran@sapo.pt)


De Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 00:24
Parabéns Jamour, tens aqui um agradavel trabalho. Gostei. Continua! Beijinhos, Maria do Céu.Maria do Céu
(http://www.maisquepalavras.blogs.sapo.pt)
(mailto:mariaceucosta@sapo.pt)


De Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 22:48
Simplesmente maravilhoso
1 BjA
</a>
(mailto:acarl@clix.pt)


De Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 15:51
Lindo! Lindo! Lindo! Tens uma alma tão iluminada, meu anjo! Que filho maravilhoso deves ser! Tua mãe, certamente, sente um orgulho imenso de te ter como filho. Que Deus continue a colocar bênçãos especiais em teus caminhos e luzes em teu coração. No beijo e no afago, meu carinho e admiração.Mily
(http://calunguinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:calunguinha13@hotmail.com)


De Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 12:23
Belíssima cascata de emoções, palavras de amor...palavras únicas e imensuravelmente especiais.

Bem hajas.

1 Bj*
LuísaLuísa Mota
(http://luadepedra.blogspot.com/)
(mailto:luadepedra@gmail.com)


De Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 09:30
Simplesmente belo... Assim me fazes chorar!Linda
</a>
(mailto:biaola@hotmail.com)


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo

.arquivos

. Abril 2017

. Outubro 2016

. Junho 2016

. Outubro 2015

. Abril 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Julho 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.links