Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

Inocencia Perdida

(foto retirada da internet)

 

Eu vi crianças inventando bolas de futebol

que viam nas montras das lojas na cidade.

Trapos de roupas apanhados na lixeira

serviam para fazer bolas de futebol.

O sorriso inocente de uma criança

num momento de felicidade

é o mesmo que ver o rosto do amor.

Eu vi os olhos da morte muito cedo,

incolores,

ausentes,

insensiveis,

 

uma bandeira içada,

um hino cantado, uma vida

perdida.

Eu vi crianças na escola  sentadas no chão,

sem mesas, nem cadeiras, lápis gastos, cadernos

envelhecidos, aprendendo o abcedario de um

português colonizado a luz de um candeeiro

feito de lata de conserva, algodao e petróleo, criando

nas paredes sombras de corpos imagináveis.

Eu vi mães vestidas de negro simbolizando a dor

de quem partiu e nunca mais voltou.

Eu vi casas construidas de barro

e pau-a-pic, com tecto de chapa

de zinco, e a chuva caindo torrencialmente,

destruindo casas levando vidas.

Eu vi e ouvi o cântico dos pescadores em alto-mar,

noite cerrada invadida por um candeeiro de Fé...

Eu vi soldados levando crianças entregando-lhes

nas maos armas para destruirem principios e valores

humanos.

Eu vi-te meu irmao, carregando no corpo

uma farda manchada de sangue, vi corpos sem

pernas, bracos, alguns a guerra cegou-os, pedindo

nas ruas ajuda para a vida vivida mas nao pedida.

Eu vi uma multidao de olhos vendados escondendo

lagrimas no sufoco do quotidiano, carros de luxo

atravessando a terra batida levantando a poeira da

dor de um povo.

Minas semeadas,

vidas como sementes.

Eu vi um povo que fez das balas

a razão de viver, da sobrevivência

como um escudo de protecção.

Eu vi e continuo

a ver de olhos

Fechados.

 

 

Dedicado a todas a criancas do mundo

inteiro aonde a guerra foi  e 'e uma realidade.

Angola

Darfur

Bosnia

Ruanda

Afeganistao

Colombia

R.D.Congo

Somalia

Burundi

Serra leoa

Costa do Marfim

Etc....................>

(E eu sou uma das criancas.)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sinto-me: real
tags:

publicado por Ejamour de Carvalhais às 16:51
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Mesl a 30 de Setembro de 2009 às 21:41
Um abraço!


De Namibiano a 5 de Outubro de 2009 às 09:32
Caro conterraneo, parabéns pelo blogue. Tem qualidade e muito interesse, voltarei concerteza e estou fazendo um link para o meu blog.
Kandandu (Abracos)
Espero continuar a merecer as suas visitas.
Namibiano


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo