Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

Livro aberto

Foto retirada da net

 

 

 

Estado intimo,

segundos de reflexao,

tanto por dizer, sao

revolucoes de palavras,

frias,

quentes,

sensuais,

sexuais.

O mundo 'e um misterio

de inspiracao para poetas

imortais na clareza utopica,

vivencial, sentimental,

no chao pobre de sobrevivencia

fugaz.

Tanto por escrever, canetas

assassinadas em folhas de papel

branco, tinta seca, apagam-se

as luzes deste refugio sem nome

fica o tanto entregue ao incognito.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 21:00
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo