Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2009

Milagre de estar vivo

Oico a tua voz dentro de mim

no teu silêncio de mulher

ausente, vestida de prazer,

despida de desilusao.

Na alma um piano, melodias

sem cessar...

Trazes no pescoco

um colar que adormece no meio

dos teus seios. Meus braços de 

mar, minhas maos negras,

desconforto interior.

Arde-me o corpo, incendios dentro

de mim. Mistura de carne e cinza,

chama reluzente, teu olhar consome-me

como castelos de areia que o mar leva.

Vejo-me perdido, embarcando-me num

navio fantasma...

Da-me de beber

do cálice da vida o milagre de estar

vivo.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 15:01
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo