Sábado, 17 de Setembro de 2005

Antes de ter sonhado.

As tardes que caem nos lagos azuis madrugadas que nascem nos olhares das borboletas. Pétalas espalhadas no chão arrastadas pelos braços do vento. Amargura de um coração que se entrega a dor de um sentir, não pedido, destruido como a tempestade quando destroi a terra...


Os sonhos das flores quando sentem o beijo do Sol. Abrem-se como uma rendição completa. Folhas de jornais espalhadas nas ruelas, molhadas pelas gotas de água que timidamente caem do Céu. Uma oração no silêncio das lágrimas. Um pedido. Alguém por ali passou sem ser visto. Alguém já viu uma alma? Esse recomeço de tudo que fora o passado, ausente, distante. No seu silêncio voa nas asas do tempo. Abrem-se os olhos da realidade numa tarde de um adeus que nunca fora dito... O passado mora do outro lado da rua, de uma rua sem nome.


Vem a chuva que se pede, caindo no seu esplendor. Não em todos os lugares, mas algures. Não aqui que abro os braços e espero ardentemente esse beijo que foi num sonho que morreu antes de ter sonhado.


 


Se canto a música da chuva as flores sorriem.


 


publicado por Ejamour de Carvalhais às 13:08
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Anónimo a 19 de Setembro de 2005 às 23:28
Gostei muito deste teu sonho nostalgico. Bjscuriosa paixao
(http://curiosapaixao.blogs.sapo.pt/)
(mailto:curiosa-paixao@sapo.pt)


De Anónimo a 19 de Setembro de 2005 às 22:56
Este texto está muito bom, a descrição fantástica. Antes de ter sonhado...um sonho de amor?
Um abraço
orfeu
(http://www.ruas-sem-nome.blogspot.com)
(mailto:mabaorfeu@portugalmail.pt)


De Anónimo a 19 de Setembro de 2005 às 10:42
A morte de um sonho… a dois, não pode anunciar-se sem que se lute para o ver realizado, se um sonho nos arrebata a alma e nos deixa a sonhar quando estamos bem acordados… nunca pode morrer… mas sim fazer-nos desejar sonhar mais e mais, sobrepondo o nosso sonho a todas as dificuldades que possam surgir, que por vezes são muitas e nunca acabam… mas o sonho vai-se realizando com pequenas conquistas que nos alimentam a alma e nos fazem acreditar que nada é impossível… BeijoSHINE
(http://.)
(mailto:mssinet@hotmail.com)


De Anónimo a 19 de Setembro de 2005 às 05:37
Sinto uma certa nostalgia nessa tua volta... por acaso alguma decepção de amor? Alguma esperança que se foi? Despedidas? Acaso algum adeus (in)esperado? Tantos dias fora, amigo! Tanta saudade das tuas postagens tão lindas e tão verdadeiras! Querias a chuva para levar resquícios de mágoas e lamentos? Ou a querias para um renovar de esperanças, um brotar de flores, um renascer de quimeras? De alguma forma, amigo, o meu desejar de boas-vindas no regresso das férias não vai se fazer da forma que eu gostaria, ou seja: com alegria e entusiasmo... só porque a nostalgia do seu postar de regresso deixou melancólico o meu coração. Se houve uma leitura indevida ou incorreta... perdoe-me! Caso contrário, receba no beijo e no afago, a minha solidariedade, meu carinho e amizade. Que a semana que se inicia traga para sua alma uma chuva de flores, prenunciando a primavera que se aproxima... que ela se faça também em seu coração. Mily
(http://calunguinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:calunguinha13@hotmail.com)


De Anónimo a 18 de Setembro de 2005 às 12:19
gostei mto de mais este texto de tom tão sentimental... mas do que mais gostei foi da fantástica frase final!
Beijinho*Lost in Space
(http://www.rainhadovazio.blogspot.com)
(mailto:helenaetrusca@msn.com)


De Anónimo a 18 de Setembro de 2005 às 04:31
Vale sempre a pena sonhar, nunca devemos desistir de o fazer. Bom domingo.Art Of Love
(http://bizaazul.blogspot.com)
(mailto:bizaazul@iol.pt)


De Anónimo a 18 de Setembro de 2005 às 00:35
Gostei da leitura vou voltar a visitar...juda
(http://osaldanossapele.blogs.sapo.pt)
(mailto:juda-ben-hur@sapo.pt)


De Anónimo a 17 de Setembro de 2005 às 13:17
Foi uma leitura envolvente sobre este seu "Antes de ter sonhado". Continue. Cumprimentos.Maria do Céu
(http://www.maisquepalavras.blogs.sapo.pt)
(mailto:mariaceucosta@sapo.pt)


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo