Terça-feira, 6 de Abril de 2010

As maos que o vento levou.

As maos desapareceram no vento. A cor da pele misturou-se com a noite, estrelas adormeceram nos tristes olhos afogados nas embarcacoes de viagem sem  retorno, vidas como bilhetes de passagens. Destino incerto nas aguas turvas, corpos marcados, tratados como propriedades, familias separadas, leiloadas a sombra do chicote. Meu irmao partiu, nao ficou um adeus, minha mae escondeu as lagrimas, meu pai desapareceu na escuridao, homens armados assim o levaram.

Canto a liberdade para esquecer a saudade. O passado ficou do outro lado da margem, como uma casa vazia. Os dias nao terminam, as noites sao curtas, no chao o meu corpo deitado, amargo, dorido, ferido, atado a corrente da escravidao. Sem identidade, destruido por dentro como as aldeias que

ficaram do outro lado do oceano.

Eu vivo a vida a merce  de  castigos que me ferem a alma, despojado de

dignidade. Manto de dor que me cega, mergulho no silencio e no consentimento de que um dia volte a voar como os passaros da minha planicie

(foto retirada da net)

Eu sou escravo do meu corpo, da minha vida que nao me pertence, tendo nas correntes o terco de sobrevivencia. Humildemente interrogo-me, sem resposta deixo-me ficar, pedindo a morte que me tire do sufoco, da humilhacao.

Do castigo, por respirar, por ser diferente, por ser nada e tudo aos olhos de quem me tem nas masmorras da solidao. O eco da revolta semea em mim raizes da liberdade.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 12:28
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Maria a 23 de Abril de 2010 às 19:35
OLÁ Jamour espero que estejas bem.
Obrigado pela tua visita, as palavras são mel, que adoçam o meu rascunho. A liberdade é a liberdade e só tu podes sentir. Gostei... mas nãp gostei de sentor-te triste.
Beijinhos com carinho e sempre o sorriso :)
Matia


De vivere all'estero a 27 de Abril de 2010 às 12:40
seu blog é muito bom! Eu não leio Português bem, mas eu amo o que você escreve!


Comentar post

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo