Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

Chegada de um dia.

Chegam petalas coloridas,

ramos enfeitados.

 

Chegam pessoas de outros

lugares como o polen que o

vento retira meticulosamente

das flores.

 

Chegam sorrisos em rostos

pintados, alguns perdidos no

meio da chuva que se faz sentir.

Das vozes embriagadas pelo o

cansaco, solta-se uma gargalhada

numa voz perdida no meio da

multidao.

 

Cai um gelado da boca de uma crianca,

uma lagrima de espanto... Um cao branco,

perdido, na hora de trafico.

'E cedo... Manha de sol de Junho, de correria

matinal, soa o sino de uma igreja, fieis a porta,

procurando a salvacao, o caminho a luz e o amor.

 

Chegam as certezas, mas ainda existe a duvida...

 

 

 


publicado por Ejamour de Carvalhais às 14:39
link do post | comentar | favorito
|

.Autor:Ejamour de Carvalhais

Não sou poeta, nunca fui, nunca desejei sê-lo. Sou apenas amante das palavras... Nesta folha negra deposito o que a minha alma me diz ao ouvido. Voz singela, de veludo, encanto que sinto a devorar-me o corpo. Rendo-me a simplicidade sentida da minha Alma, Fé, Essência que me guia na luz do amor. (Obrigado pelas visitas e comentários...)

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome

. Eu a ti, pertenço

. Até amanhã

. ... E no natal.

. Eterno

. Um poema só teu.

. Sedução

. Um tempo