Sábado, 1 de Abril de 2006

A ti que me lês...

Acompanhas as frases, em momentos que só a ti te pertencem.

Voas o pensamento nas linhas que te tocam a alma. Ou das frases que te agitam o coração.

Revoluções dentro de ti, como águas turvas, ou das manhãs que te embalam os olhos de um Sol que te ilumina o rosto.

A ti que me lês no esconderijo da tua vida, no teu canto, recanto aonde te encontras e observas-me nas linhas que mostro-te.

Sou o que lês perdido na minha ausência.
Sou ausente de mim mesmo quando procuro-me e encontro-me… Ou talvez não.

È nesta essência de palavras que mostro o meu sentir.

É nesta folha negra e em outras folhas que me desfolho como um livro antigo escondido num baú ou numa estante abandonada…

Sente-me em cada linha… Não são sentimentos fingidos, são sentidos, como o reflexo de uma imagem num espelho, ou como a dor de uma lágrima que se esconde no canto do olho.

 

A ti que me lês, mostro-te o caminho do rio da vida…

A ti que me lês, mostro-te um anjo que abre as asas do amor…

A ti que me lês, mostro-te estas palavras que não sei aonde as vou buscar.

 

A ti que me lês, deixo abertas as portas da minha alma.


publicado por Ejamour de Carvalhais às 11:48
link do post | favorito
De Cöllyßry a 30 de Maio de 2006 às 19:36
De facto são por vezes frazes que nos tocam o coração...e a Alma...Voltarei
Deixo meu terno olhar...
Cõllybry


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.pesquisar

 

.Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.A voz da alma

. For life.

. Um corpo

. De ti

. Até a madrugada chegar.

. Vésperas de Natal

. Até já

. Vejo-te

. Abraço não sentido

. Diferente

. O teu nome